sexta-feira, 24 de abril de 2009

Ave-Bala (ou cotidiano das favelas)





A ave-bala voou perdida
atravessando os mirantes
e pousando na cabeça da menina.
De qual gaiola k-47
fugiu aquela ave-bala arredia
que voou sem direção
fazendo da cabeça da menina
seu ninho de atormentação.

(Alan Félix)

terça-feira, 21 de abril de 2009

O Tango


Corpos concomitantes

na volúpia da dança.


No soar fino do violino

emerge o ardor da carne.


O entrelaçar da luxúria

no espasmo do passo.


Dois corpos dialogando

nas carícias dos sapatos.


O desejo febril dos dançarinos

no gozo tácito dos aplausos.


(Alan Félix)

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Chuvisco



Da sua mão gota de chuva,

ficou a umidade

na minha face.


Daquele toque de orvalho

dos seus dedos

nos meus lábios sedentos

sobrou o refresco amado.


Do seu afago molhado

na minha face

senti aquele frio

do fim de março.


(Alan Félix)



p.s: poema dedicado a Diana (Dica), por ser mais uma louca-compulsiva-viciada por escrever, adorei te conhecer "roxa".

domingo, 19 de abril de 2009

Autobiográfico


Sou a nome apagado

daquele verso

que escrevi na tarde

de céu damasco


Na beira daquele

rio límpido

em que refleti a minha face

mais feroz.


(Alan Félix)

sábado, 18 de abril de 2009

O Desejo

Seus lábios úmidos,
portal do desejo,
qual atravesso com zelo.

(Alan Félix)

sexta-feira, 17 de abril de 2009

Flor de Ellis

A flor que brota do seu afago
é como a manhã nascente.

Aquece a face fria do meu peito
que invernava na sua ausência.

O teu toque é como pólen,
esvoaça seus sentimentos floríferos,
penetrando em mim, sua essência.

(Alan Félix)

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Beija-flor de Liz

Beijaste meu lábio
até que silenciaste
meu corpo...

Beijaste minha alma
até que restasse
meu sufoco...

Beijaste minha face
até que deixaste
meu afeto...

Beijaste meu amor
até que ficaste
uma flor de liz
em meu peito...

(Alan Félix)


p.s: poema dedicado a Liz, que seja sempre doce como torta de brownie.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Salvador

Da cidade colonial
restou os sobrados,
o porto e os fortes
com múltiplos nomes...

Da cidade moderna
restou o mercado,
a feira com seu aroma
e as avenidas largas...

Da cidade atual
restou a insegurança,
os mirantes no alto,
e a violência ensandecida...

Da cidade futura
não restará nada,
nem uma fagulha
do que foi Salvador...

(Alan Félix)

terça-feira, 14 de abril de 2009

Todo esse Ar

Do cigarro transformado
em fumaça
ficou o cheiro doce
de fumo no dedo...

Da cerveja tomada
na garrafa
ficou o sabor consumido
do recomeço...

(Alan Félix)

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Chuva

A chuva canta
melodia
na calha da casa.

A gota d’água
entoa
a sinfonia na rua.

(Alan Félix)

domingo, 12 de abril de 2009

Janaína

O seu canto,
atrai meu pensamento
para seu peito...

No qual adormeço,
me arrebento
no seu rochedo...

Tal como marujo,
me enfeitiço
por seu encanto..

A sereia do meu mar,
Iemanjá do meu lar,
Janaína e seu cantar...

(Alan Félix)


p.s: Porque amizade não tem preço, continue encantando com seu encanto Jana.

sábado, 11 de abril de 2009

Murmúrio do Coração

O murmúrio do meu coração,
pronuncia seu nome alto.

O murmúrio do teu beijo
contou ao meu lábio
todo seu desejo introvertido.

(Alan Félix)

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Kama Nossa

Nós dois como concha do mar...

Eu beijando sua nuca,
e você nua a me enrolar,
feito cobertor quente.

Eu carente de fogo teu...
Corpo teu... Me submeteu a todo
ardor do sexo seu...

Nossa cama o apogeu,
Do beijo teu...
No corpo meu...

Todo desejo meu e seu...
Arrepio seu... Ao toque meu...
Nos entorpeceu...

Todo fresco do hálito meu...
No seio seu...
Nos converteu e transcendeu...

(Alan Félix)

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Paisagismo

Minha urbana paisagem
são luzes turvas das noites
com molduras urbanas
das favelas dessa rua.
dessa cidade difusa.

Minha urbana paisagem
são quadros sem reboco,
vermelho do tijolo.

As janelas aquarelas
vão surgindo na tela.

(Alan Félix)

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Estribilho

O lábio teu
um estribilho
com este brilho
que é meu.

(Alan Félix)

segunda-feira, 6 de abril de 2009

Sujeito

O teu jeito
desajeito em mim...

O teu desjeito
é trejeito em mim...

O teu rejeito
é dessujeito em mim...

(Alan Félix)

domingo, 5 de abril de 2009

Luana

No brilho das suas quatro faces,
há uma lua que me encanta,
Luana.

(Alan Félix)


p.s;: Poeminha dedicado ao querubim que surgiu na minha vida, beijo Lua-na.

sábado, 4 de abril de 2009

Mariposa

Mari, pousa seu sonho
no meu colo
faça dele seu oratório.

Mari, pousa seu choro
no meu peito
faça dele seu leito.

Mari, pousa seu cheiro
no meu dedo
para que a mariposa
faça dele o seu lar.

(Alan Félix)

sexta-feira, 3 de abril de 2009

O Paletó

O amor foi tão fugaz
que se evadiu do meu peito
feito botão caído do paletó.

Repare só a dor
Que o paletó faz.

(Alan Félix)

quarta-feira, 1 de abril de 2009

Vaga-lume

Vaga no
lume
daquele olhar.

(Alan Félix)