sábado, 23 de abril de 2011

Diálogo ao Vento


- amor já vou embora,
pois sou vento viajante.

- deixa o feixe da janela aberto
para que eu siga viagem nela.

- não importe-se com a saudade,
de vez em quando sopro as persianas da janela,
o lençol que lhe conforta.

(Alan Félix)