segunda-feira, 25 de abril de 2011

Cartas sem destino.




Querida Elnora,

O que seria da saudade caso não tivesse a conhecido.
Seria apenas uma palavra sem expressão vivaz no dicionário da minha vida.
Ainda lembro-me do sorriso iluminado que cortinava todas as manhãs de segunda-feira. A segunda-feira era sempre um mórbido enterro do tédio de domingo.
Mas depois que a conheci passou a ser um cântico hipnótico da sua voz macia de morango. O castanho dos seus olhos reluzia como a pedra âmbar. A sua pele de seda cobria meu corpo no abraço reconfortante. Aquele abraço significava força ao meu corpo. Força motriz que reviveu brasas cansadas da vida.
Escrevo a palavra adeus nos fios cacheado do seu cabelo, e carrego comigo o retrato da felicidade. A clandestina felicidade que embarcou na minha vida numa quase tarde da semana.

Alan Félix