quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Tudo que Escrevo


Tudo que escrevo é líbido. É uma essência erótica que evapora no dedo. Tudo que escrevo é orgasmo. É a arte de manipular os movimentos da mão num voo prazeroso no papel. Tudo que escrevo é masturbação. É a técnica frenética de pulsação da poética latente. Tudo que escrevo é espasmo. É a conturbação da mente na ejaculação de ideias. Tudo que escrevo é alma. Por isso que morro em cada ponto final.

Alan Félix