quarta-feira, 31 de março de 2010

É de lágrima, sonhos e papel


É de lágrima o mar
que fiz para navegar
para longe de você.

Foram de sonhos
a terra que acreditei
existir além da praia escura
de seus olhos.

É de papel
o barco que construo
para dizer adeus
a enseada do teu corpo.

(Alan Félix)