quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Meu lado!


Tenho na alma a feminidade
a delicadeza das Adélia, Cora, Clarice.


Toda são sombras que me seguem

na calada dos meus pensamentos.


Ganham vida na forma de versos

como menstruação da alma.


Escorrem por entre a ponta da caneta

sujando o papel com versos.


Versos menstruados de sensibilidade

que minha mente pode traduzir.


Desta forma, vou escrevendo-as

poesias, prosas... mulheres.

(Alan Félix)