segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Ancorar



Liberta-me das amarras de suas pernas
e ama o balançar do meu corpo
na nau de sua vela.

Ínsita, o navegar das minhas mãos
nos mares da sua boca
ancora seus suspiros
no porto do meu ouvido.

Umedece a proa dos seus seios
nos mastros dos meus dedos
hasteando os desejos navegantes
no cais do meu corpo.


Alan Félix