segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Sob o Sol


Sob o sol resseco como
casca velha de uma árvore
esquecida na imensidão da
solidão.

Raízes profunda de mim
enterram no solo da alma
buscando algum vestígio
de humanidade.

Os galhos que ramificam
nos olhos
impedem a luz de penetrar
na escuridão clandestina do olhar.

Obscurecida a visão do infinito
tateio nas flores de areia e pó.

(Alan Félix)