quarta-feira, 21 de julho de 2010

Luna



E na frágil delicadeza
dos teus olhos
a noite dançava acanhada
na valsa da sua retina.

A tua alma clareava
como a lua na pupila dos meus olhos.
Meu coração fazia serenata
na disritmia do nosso olhar.

A melodia que escorre
da voz dos olhos teus,
propaga no abismo do meu coração.

(Alan Félix)