segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Cafeteria Poética.



O amor (dela) cheira a café.
O (meu) amor a poesia.


Eu, bebo-a.
Ela, ler-me.

Não imaginamos o amor
sem cheirar a café e poesia.



(Alan Félix)