terça-feira, 20 de outubro de 2009

Após a Eternidade

“em memória da minha avó”

Garoa parecia tão confortante
Lágrimas sinceras demais
Amigos nunca antes visto
Oração rigorosamente rogada
Murmúrios não tão aguçados
Olhares piedosos lançado ferozmente
Pêsames nunca haviam sido tranqüilizantes
Choros de uma perspectiva pessoal
Caminhar retrocederá uma dor
Badaladas dizia que era a realidade
Personificação do transcender mostrará
Outrora memórias esquecidas

Alimenta! As chamas em mim
Chama, que entorpece meu ser
com sofrimento...
Vento nunca assustador e medonho
Terra nunca antes receptiva
Minha perspicácia jogada no mar
da incompreensão...
Cada pá de terra crescia meu lamento
Sensação de perda tomou meu ser
Arco-íris nunca me mostrou a continuação.

(Alan Félix)