quinta-feira, 7 de maio de 2009

Cor de Roxo

Na noite de abril,
o céu não se abriu,
tudo turvo no seu lar.

Aquela dor se abriu,
sua garganta feriu,
do secar do caminhar.

Então, você não me viu
nem se quer sentiu
quando invadi seu lugar.

Todo rabiscado de roxo,
com meu jeito frouxo,
te carregando no braço.

Você se quer sorriu,
quando lápis de cor caiu
desmanchando seu pintar.

Mas, sei quando você sorriu
quando seu novo lar se abriu
naquele mês abril
pintado de roxo em todo lugar.

(Alan Félix)


p.s: Que a poesia que morri em mim, nasça em você a cada dia. Te adoramo muito Dica.