segunda-feira, 14 de maio de 2012

Maria Fernanda

“Eu que nunca amei a ninguém / Pude, então, enfim, amar..."
(Los Hermanos - A Flor)

 (Luyse Costa) 

Em toda a manhã que acorda com o silêncio fantasmagórico, Maria Fernanda, pensa – eu nunca amei a ninguém – convicta que a solidão é um mar na qual vive incessantemente a deriva. [...]

Alan Felix