domingo, 29 de agosto de 2010

A Linha


O nevoeiro da manhã cortina o dia que nasce. Esconde as fantasmagorias do viver a manhã fria da semana.
O cotidiano transcreve a vida dos comuns.
No quarto do apartamento a rotina emoldura a vida do casal. A banalidade corriqueira do relacionamento a dois. O processo mítico do enredo ensaiado das relações interpessoais.
Vivia dessa maneira Fernando e Raquel.
É uma trama trivial da insignificância da vida. Porém, desperta a curiosidade de terceiros para a trágica fatalidade do amor.
O amor é uma célula invisível que se multiplica na parede do destino infectando a racionalidade primaria do homem. A ira condensa em muralha mágica erguendo verdadeiras fortalezas impenetráveis.
Somos passageiros em busca de saída ou entrada secreta para o mundo maravilhoso do amado. Sutilmente, Fernando adentrou na vida de Raquel.
Paixão.
Desejo!
O cotidiano sendo escrito na linha bamba do destino. O amor colocou sua máscara e contracenou na vida de ambos.
O sexo sacro da comunhão entre o animalesco e o divino. Silêncio. O recorte do momento fotografado pela circunstância da vida.
Raquel alterada gritava sobre o relacionamento. Fernando gritava sobre o relacionamento. Uma constelação de ofensas eclodia no céu da sala.
Irritado e desenfreado o homem pegou seus pertences: uma mochila, uma chave de carro e o celular.
Palavras chave para um clímax romanesco de folhetins do século XVIII. Mas, a contemporaneidade não permitia tal cena. O infortúnio é a porta voz do momento. A crueldade urgiu nas sinaleiras verdes das ruas. Acelerando freneticamente o carro, Fernando, rompia todos os limites da ordem social. Neste instante as regras de sociabilidade são ignoradas.
O celular toca uma música de identificação instantânea da amada (Non, Je Ne Regrette Rien). 100km por hora. Coloquemos como aditivo a raiva momentânea. Pronto, tem um homem desorientado nas vieras da cidade. O olhar aguçado espreitando um lugar para estacionar. O celular vibrando como um corpo em convulsão.
Noutro lado da linha Raquel com um papel na mão aflita. A sala da casa traçou uma trilha cíclica de idas e vindas.
O homem na solidão urbana, estaciona o carro próximo ao beco escuro. Ha frente uma placa de identificação da rua.
Estende a mão.
Atende o celular.
O suspense das palavras pensadas e não expressadas. O murmúrio da voz de Raquel tocada em dó menor.
Estilhaçado o vidro do carro, um sujeito de capuz aponta uma arma para cabeça de Fernando, o movimento assustado, o grito da mulher ao telefone.
A cor vermelha pinta a tela daquele momento, e a voz da mulher pincelando a informação da gravidez. A surdez da morte instala-se naquele ato. O vulto adentra a escuridão urbana. E o corpo agonizando sob o volante.
Rebobinando a microfilmagem daquele romance. O inicio da discussão no apartamento e a tentativa da palavra contida por Raquel, terminou não sendo impressa na linha bamba da vida de Fernando.

(Alan Félix)