sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Segunda nota para pequeno conto


- Logo eu, o moro de Veneza!

Sala negra, quatro cadeiras de madeira, um cenário de nossa imaginação, o abstrato ganhando vida, o personagem possuindo meu corpo, seu nome era Ottelo. Pausa para beber água, o ensaio retornaria em alguns minutos. Sentei para descansar, lembrei de minha avó dizendo que teatro não daria futuro, teria que cursar uma universidade, e deveria procurar um cursinho.
Na saga de encontrar um cursinho, acabei cursando no Cursinho Exato na Liberdade. Porém, quando iria estudar na sala do cursinho, já estava em casa e seis meses haviam passado. Logo, me encontrava em outra caminhada, apesar de que nesta procura do novo cursinho para fazer intensivo havia um sabor especial. Claro, que o sabor especial era uma mulher em minha vida e um plano de ser aceito pelos pais dela ao cursar numa universidade pública. Lá estavam os três mosqueteiros de Alexandre Dumas (eu, Thiago e Washington). Iniciando no cursinho intensivo do Sagrado, área estratégica para ver minha namorada e ficar indo ao shopping.
No processo de tal devaneio prestei vestibular na UFBA para produção cultural. Isso devido à certeza de querer pegar matérias optativas em cinema e depois cursar como aluno especial numa universidade do sudeste. Esse é o ponto chave do meu desejo, estudar CINEMA.


Alan Félix